Aplicativos e sites: um guia da paquera virtual

Compartilhe!

A Intel Security realizou uma pesquisa em diversos países com 4,3 mil adultos, entre 18 e 54 anos, para saber como as pessoas estão compartilhando informações pessoais com possíveis parceiros e expondo dados pessoais e detalhes íntimos a desconhecidos em sites e aplicativos de relacionamento. Muitas compartilham suas fotos (79%), data de nascimento (58%), profissão (59%) ou e-mail (45%). 20% dos entrevistados contaram que informam até mesmo seu número de telefone e 11% informam seu endereço comercial ou residencial, já no seu perfil do site ou aplicativo. Os sites/aplicativos mais utilizados pelos entrevistados são Match.com (34%), Tinder (34%), Plenty of Fish (24%), Eharmony (20%) e Zoosk (18%). O Tinder é popular entre as pessoas mais jovens. Mas será que há algum perigo nisso?

Aplicativos e seus perigos online

Fotos íntimas: 41% dos usuários de sites/aplicativos de relacionamento afirmam já ter compartilhado uma foto íntima de si mesmo com alguém com quem estavam conversando num site/aplicativo de relacionamento, antes mesmo de se encontrar com essa pessoa. Os homens compartilham fotos íntimas (52%) com muito mais frequência do que as mulheres (29%).

Dados pessoais: quando conheceram alguém online, muitas pessoas afirmam que informaram dados pessoais como profissão (64%), número de telefone (60%), o endereço de e-mail (56%) e até endereço residencial (23%).

Encontros: 39% dos usuários de sites ou aplicativos de relacionamento foram encontrar alguém que conheceram na internet depois de manter contato com a pessoa por menos de duas semanas. 43% dos entrevistados afirmam que tiveram contato com pessoas que afirmavam na internet ser quem não eram.

Permissão de acesso: 27% dos entrevistados não têm ideia das permissões de acesso que concederam aos aplicativos de relacionamento escolhidos. Entre os usuários que sabem, indicam que concederam permissão de acesso à localização (67%), aos contatos (37%), às mensagens de texto (36%) e à conta pessoal de e-mail (35%).

Proteja-se!

Use apelidos e nicknames. Para buscar por relacionamentos na internet, é necessário dificultar o acesso dos cibercriminosos (ou stalkers) à sua identidade verdadeira. Divirta-se com isso. Em vez de nomes que entreguem sua identidade como Vera da Silva, crie IDs com nomes criativos ou que destaquem suas qualidades.

Distribua elogios, não suas informações. Você deve sempre ser econômica com suas informações na internet. Embora possa parecer inofensivo dizer qual é a sua localização, seu nome, sua profissão, sua idade, o nome do seu primeiro animal de estimação e o nome de solteira da sua mãe no seu perfil, essas características de identificação podem ser reunidas por estelionatários para assumir a sua identidade.

Uma aventura pode não durar para sempre, mas as imagens vão durar. Embora possa parecer uma boa ideia compartilhar fotos íntimas, não se esqueça de que fotos e vídeos ficam por aí para sempre. Até mesmo os aplicativos de redes sociais que afirmam que as fotos desaparecem podem ser facilmente contornados com uma captura de tela. Não são apenas fotos íntimas de celebridades que se espalham pela internet!

Liberte seu coração, mas bloqueie seu telefone! Não se esqueça de definir um PIN ou uma senha para o seu telefone. Não é legal que alguém fique espiando as fotos no seu telefone quando você sai para ir ao banheiro ou mesmo em caso de perda ou roubo do aparelho.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *