Aborto: por que o Brasil deve despenalizar?

Compartilhe!

Nas últimas semanas, foi reaceso o debate sobre o aborto. A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou uma recomendação defendendo a flexibilização dos mecanismos legais para a permissão do aborto. Visando os casos relacionados ao zika e à microcefalia. Para o médico ginecologista e obstetra Thomaz Rafael Gollop, coordenador do Grupo de Estudos sobre o Aborto (GEA), toda essa movimentação é positiva. E o assunto deve ser amplamente debatido, pois a população ainda carece de informações sobre o tema.

Nenhum Estado ou lei no mundo deve interferir em uma questão tão particular, obrigando uma mulher a ter um filho indesejado. Cada um tem suas ponderações, valores éticos e morais, que devem ser respeitados. De acordo com a atual legislação, hoje assistimos passivamente uma gestante interromper sua gravidez colocando a sua vida em risco. Depois disso, ao invés de acolher esta mulher, ela é julgada e penalizada“, afirma o médico. 

É importante salientar que, dos 65 serviços de abortamento legal teoricamente existentes no Brasil, muitos, infelizmente, não fornecem assistência integral às vítimas de violência, sejam elas mulheres, homens ou crianças. “É necessário, urgentemente, a ampliação desses serviços pelo Brasil afora, avalia Dr. Thomaz.

Legislação brasileira e o aborto

O que está em discussão atualmente é se o aborto deve seguir o Código Penal vigente, incriminando as mulheres que a ele recorrem. De acordo com o Código Penal brasileiro, a mulher que pratica o aborto, com exceção dos casos já legalizados, será punida com pena de detenção de um a três anos.

Em decisão recente, o Supremo Tribunal Federal (STF) revogou a prisão de cinco pessoas detidas em uma operação da polícia do Rio de Janeiro em uma clínica de aborto clandestina. O STF considerou que os artigos do Código Penal que criminalizam o aborto, que são de 1940, são inconstitucionais, pois violam os direitos sexuais e reprodutivos da mulher. Bem como o direito à autonomia de fazer suas escolhas e o direito à integridade física e psíquica.

aborto-por-que-o-brasil-deve-despenalizar-clube-das-comadres1

Para José Henrique Rodrigues Torres, juiz de direito titular da 1ª Vara do Júri de Campinas/SP, a decisão é importante, mas ainda não é a ideal. “Qualquer que seja a circunstância do aborto, e não importa o tempo da gestação, a criminalização da mulher deve ser entendida como inconstitucional e contrária ao sistema de proteção dos direitos humanos. Mas, descriminalizar o aborto pelo menos nos casos em que a mulher está no início da gestação já seria um avanço em direção ao acolhimento das mulheres e à garantia de seus direitos“, avalia. 

O juiz alerta para os casos em que a denúncia é realizada por um médico que atendeu a gestante com complicações resultantes de um aborto inseguro. Esses processos não deveriam ser aceitos, pois a prova é ilícita, visto que implica uma violação do sigilo médico. Além de impedir o processo contra a mulher nessas situações, o correto seria gerar a responsabilidade do médico pela violação do sigilo, afirma Dr. Torres.

aborto-por-que-o-brasil-deve-despenalizar-clube-das-comadres2

Aborto em números

“É importante lembrar que ocorrem cerca de 300 mortes maternas por ano no Brasil e que o aborto inseguro é a quinta causa de mortalidade materna. Em algumas localidades, como Salvador, é a primeira causa“, adverte Dr. Thomaz.

Essas mortes são consequências das mais de 500 mil brasileiras que recorrem ao aborto a cada ano. Associado à assistência no aborto inseguro, que é a segunda causa de internações em Ginecologia no SUS. O aborto clandestino traz outras consequências graves, como a esterilidade, infecções, perfuração em órgãos e hemorragias, destaca o médico.

Segundo a edição 2005 da Norma Técnica de Atenção Humanizada ao Abortamento do Ministério da Saúde, o resultado deste cenário foram as cerca de 244 mil internações motivadas por curetagens pós-aborto realizadas somente em 2004. São decorrentes de abortamentos espontâneos e inseguros, orçadas em pouco mais de R$ 35 milhões.

aborto-por-que-o-brasil-deve-despenalizar-clube-das-comadres3

Penalização do aborto

No Brasil, a atual legislação coloca as gestantes, especialmente as de baixa renda, em situação de risco. O aborto inseguro é um grave problema de saúde pública. Apontado como a quinta causa de óbito materno no Brasil. Para Dr. Torres, a criminalização do aborto em qualquer momento é inconstitucional, pois viola os princípios dos direitos humanos.

É muito claro que criminalização e assistência à saúde da mulher são incompatíveis. Isso é afirmado pelo sistema internacional de proteção dos direitos humanos. Descriminalizar o aborto, sim, é colocar o sistema de saúde à disposição das mulheres. Permitindo a criação de políticas públicas de atendimento, de acolhimento. Acesso aos meios anticonceptivos, educação sexual reprodutiva. Com isso, evitamos a gravidez indesejada e também o aborto”, garante o juiz. 

Prova disso está nos números registrados em países que descriminalizaram o aborto. Uma das consequências diretas é a queda no número de abortos. Além, é claro, da redução da mortalidade materna.

 

aborto-por-que-o-brasil-deve-despenalizar-clube-das-comadres5

O aborto no mundo

O Chile aprovou em março deste ano um projeto de lei autorizando o aborto nos casos de risco de morte para a mãe, inviabilidade do feto ou gravidez resultante de estupro. Trata-se de um avanço, pois o Chile é um dos poucos países do mundo onde o aborto ainda é proibido em qualquer circunstância. Mesma realidade de El Salvador, Nicarágua, República Dominicana, Malta e Vaticano.

No México, a legislação depende de cada Estado. Alguns contemplam penas de prisão. Mas na capital, Cidade do México, as mulheres podem interromper a gravidez antes da 12ª semana. No Uruguai, desde 2012 o aborto é permitido durante as primeiras 12 semanas de gestação.

Houve uma queda dos números de mortalidade materna, próxima de zero. O Uruguai é um país latino e católico como o nosso, com uma série de questões sociais e dificuldades, mas conseguiu resolver este grande problema, que é a mortalidade materna, finaliza Dr. Thomaz.

Veja também:

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *