Fogos de artifício: veja como ajudar seu pet

Compartilhe!

Nossa coluna pet também está na contagem regressiva para a Copa do Mundo, que vem acompanhada de fogos de artifícios. Mas muito além da preocupação com as fantasias verde-amarelas e os adereços de futebol, nosso foco neste especial que começa hoje será trabalhar um pouco o medo dos cães em relação aos fogos de artifício. De um leve desconforto até o pavor extremo, a reação dos cães em relação aos barulhos de rojões varia muito e, se não for bem manejada, pode causar até mesmo parada cardíaca ou terminar em fugas e acidentes.

De onde vem esse medo? Nos cães, vem da associação de um estímulo (auditivo, visual, olfativo) a uma sensação de terror. No caso dos fogos de artifício, mais do que o barulho alto, o tremor que os rojões causam no ar é o que traz o pânico, pois a audição dos cães é muito melhor que a nossa. Eles ouvem sons em frequências que não conseguimos captar. No caso dos trovões, é a mesma coisa: o tremor do solo chega até eles e, por isso, é comum que eles consigam prever a chuva bem antes que nós.

Como instinto de sobrevivência, os cachorros aprendem a ler sinais da natureza para se prevenir de situações de risco. Dessa forma, ao ver clarões de luz no céu, entendem como sinal e chuva e se escondem. Ou então, fogem ao ouvir os primeiros fogos pois sabem que o estrondo do rojão deve chegar logo.

Fogos de artifício - pets- copa do mundo

 Fogos de artifício: como controlar o medo?

O treino para deixar os cães mais calmos nessa situação é longo e exige que os tutores se dediquem constantemente a ele. Quanto maior o medo, mais longo tende a ser o tratamento. A ideia é simples: do mesmo jeito que eles criaram associação ruim ao ouvir o barulho dos fogos ou o clarão dos trovões, vamos criar, aos poucos, uma associação boa a esses estímulos.

1 – Faça uma atividade que seu cão adore. Jogar a bolinha, roer um petisco ou mesmo separe a hora da refeição dele para o treino.

2 – Coloque o som de rojões no seu celular em um volume mínimo. Vá subindo aos poucos. Se ele mostrar desconforto, abaixe o volume. Ele precisa se sentir à vontade, sem mostrar inquietação.

3 – Encontrou o volume confortável? Ótimo. Deixe rolar por um minutinho e pronto. Desligue. No dia seguinte, repita a operação durante um momento prazeroso.

4 – Deu certo no dia seguinte? Tente subir um pouquinho o volume. Se ele ficou confortável, mantenha por alguns dias, e assim sucessivamente.

Meu cachorro não liga para o som

Se seu cãozinho se mostrou indiferente ao barulho gravado dos rojões, não deixe de fazer o treino. Mesmo que o medo não venha daquele barulho (e só do estrondo no ar, como falamos), ele vai se acostumar a ouvir bastante o som de fogos. E tende a ficar mais calmo quando eles começarem. Na próxima coluna, vamos ajudar você a preparar o abrigo ideal para seu pet nos dias de jogos do Brasil.



colunista-ana-alice-caoAna Alice Vercesi é jornalista que descobriu que se comunicava melhor com os bichos do que com as pessoas, escorregou para o empreendedorismo ao criar a Cão Vivência, uma empresa que oferece serviços de bem-estar e comportamento baseados na confiança e na diversão. Hoje tem como missão de vida fazer um mundo melhor para os pets e seus donos (nessa ordem).

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *