Ricardo Pereira aprova cena de sexo na TV

Compartilhe!

Ricardo Pereira e Caio Blat, que interpretam os personagens Tolentino e André, respectivamente, em Liberdade, Liberdade, comentaram a cena de sexo entre dois homens, que foi ao ar na terça-feira, dia 12/7.

Eles vivem um amor proibido na novela escrita por Mario Teixeira, exibida a partir das 23 horas, na Globo.  Clube das Comadres bateu um papo rapidíssimo com os dois atores sobre esse romance e a tão comentada cena de sexo. Vem conferir!

Ricardo: “é um marco na minha carreira”

Em Liberdade, Liberdade, Tolentino e André vivem um romance proibido, até que acontece a primeira vez do casal. Como é contar essa história na TV?
Ricardo:
 “É muito bom o Mario (Teixeira, autor) trazer na história do Tolentino, que é um cara macho, mau e duro, esse contorno ao personagem. E se for parar para pensar, Tolentino e André (Caio Blat) são opostos, pessoas completamente diferentes”.

Caio: “O Mario (Teixeira, autor) está escrevendo de forma brilhante a história do André e Toletino (Ricardo Pereira). Desde o começo, quando eles se conheceram e passaram a ter mais intimidade, a história tem sido tratada com muita delicadeza. Tudo começou devagar, foi esquentando, se desenrolando, até que explode e acontece a primeira vez do casal”.

Tolentino é grosso, duro; já André é refinado. E os opostos acabam se atraindo, até que, após relutar, Tolentino se entrega e os dois têm a primeira vez. Essa cena é um marco na minha carreira”, garante Ricardo Pereira.

André é um homem a frente de seu tempo, já Tolentino não, mas os dois acabam se apaixonando…
Ricardo:
 “Isso que é o bacana, mostrar que por trás daquele homem forte, viril, durão, existe esse sentimento, esse amor dele por André. E é uma dureza o Tolentino ser agressivo, se controlar. Mas quando está com André, ele se liberta, mostra o outro lado. Claro que tudo de forma bem enrustida porque estamos falando de 1800”.

Caio: “O meu personagem foi criado na Europa e é obrigado a voltar. E aí se depara com um país de analfabetos, onde não se encaixa naquele perfil. Justamente ele, um cara delicado, sensível, culto, vê que o Brasil não é o lugar dele. Até que encontra Tolentino e tudo muda. A atração por Tolentino fala mais alto. A minha torcida é para que o público entenda o sentimento verdadeiro do André pelo Tolentino. É algo bem bonito. E reflitam sobre isso, uma história linda de amor entre eles”.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *